Sindae - Sindicado dos Trabalhadores - FNU" Sindae - Sindicado dos Trabalhadores - CUT
Quarta, 20 de Setembro de 2017

Notícias                                                                        


A água é um recurso vital e estratégico


O quarto texto sobre a nota técnica do Dieese que trata da situação do saneamento básico no Brasil aborda a questão da água como recurso vital e estratégico. Ela é imprescindível à sobrevivência dos seres vivos e ao desenvolvimento humano, e possui, portanto, valor social ilimitado e não pode ser tratada como simples mercadoria.


Os serviços de abastecimento de água e esgoto integram um conjunto de medidas voltadas à promoção da saúde e da qualidade de vida da população. O esgotamento sanitário possui forte correlação com o controle de endemias e, por isso, tem papel central em diversas políticas de saúde pública.

Segundo estudos da ONU, uma criança morre no mundo a cada 2,5 minutos devido a problemas relacionados à falta de água potável e a saneamento ineficiente. De acordo com estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS), para cada R$ 1,00 investido em saneamento, há uma economia de R$ 4,00 em saúde. Assim, os efeitos do aumento da oferta de saneamento básico são um forte vetor de desenvolvimento para os cidadãos mais vulneráveis.

A água é um recurso finito. A ONU prevê, até 2050, um aumento de 55% na demanda hídrica mundial em razão da crescente demanda do setor industrial, dos sistemas de geração de energia e do consumo doméstico. E aponta também que os lençóis freáticos estão baixando e a estimativa é que cerca de 20 dos aquíferos do mundo estejam em situação de sobre-exploração. Vale lembrar que o Brasil possui dois dos maiores aquíferos do mundo: o Guarani e o Saga (Sistema Aquífero Grande Amazônia.

A água é um elemento de importância central nas estratégias de disputa pelo controle dos recursos naturais no mundo. As grandes corporações operam em escala global, articulando os interesses dos gestores técnicos, que atribuem a si próprios a tarefa de “melhorar a gestão do aproveitamento da água”, e dos empresários interessados na privatização deste recurso natural.

Na verdade, os interesses das grandes corporações vão além da aquisição das empresas públicas de saneamento. Faz parte de uma estratégia de apropriação das fontes dos recursos hídricos, como, por exemplo, os aquíferos Guarani e Saga. A gestão da água, portanto, ultrapassa o caráter financeiro e econômico. Ela deve ser entendida como o direito intrínseco ao ser humano.

 






[ Indique a um Amigo ] [ Imprimir ] [ Voltar ]

 

Sindae: 21 anos de
luta e conquista

 

O Sindae (Sindicato
dos Trabalhadores na Indústria da Purificação
e Distribuição de Água...

O Grenasa é o Grêmio Esportivo e Recreativo dos Empregados da Sanasa. A entidade foi fundada... Criada em 1973, a Sanasa (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S.A.) é uma empresa de... Antigo Serviço Autônomo de Água e Esgoto da Estância de Atibaia, o Saae (Saneamento Ambiental de Atibaia) é uma...